23.1.07

A morte de Abbé Pierre

O Público e o Primeiro de Janeiro foram os únicos jornais portugueses a noticiarem a morte do Abade Pierre. Símbolo da esquerda francesa, primeiro por ter feito parte da Resistência na segunda guerra mundial, depois como deputado logo a seguir à guerra e como o fundador da comunidade Emaús. Aí, torna-se conhecido como o protector dos pobres, dos desfavorecidos, dos excluídos e de todo o blá-blá esquerdóide. (Como se a esquerda fosse protectora de coisa alguma senão dela mesma e mal!).
Tudo ia muito bem até que por carta, datada de 15 de Abril de 1996, decide dar o seu inequívoco apoio ao seu amigo, ex-comunista, Roger Garaudy por ter publicado "Les Mythes Fondateurs de la Politique Israélienne", que acabava de ser alvo de um linchamento mediático na terra da "liberté, fraternité et égalité". Estava cometido o pecado!
A partir daí, toda a imprensa passa a ter não um alvo mas dois: Roger Garaudy e o Abade Pierre.
Já não podiam tolerar - os campeões da tolerância, da liberdade de opinião, dos direitos do homem, da pessoa humana e outras aldrabices - que um ex-comunista e um "campeão" dos slogans esquerdelhos se pusessem contra o politicamente correcto e contra o pensamento único.

6 comentários:

Anónimo disse...

Ò Nonas,pelo número de comentários,o que está a dar é pôr a careca à mostra dos Nogueira Pinto e quejandos.Continue.

futuro sem futuro disse...

post oportuno e sério.

piu-piu disse...

Jaime Nogueira Pinto no seu “melhor”!!!

«Não fui no tempo de Salazar salazarista, nem tenho por Salazar uma admiração beata, incondicional, saudosista.»

in
http://ofuturopresente.blogspot.com/2007/01/grandes-portuguesesrespostas-tv-guia.html

tiro ao alvo disse...

O cavalheiro de indústria(e tráfico)que é hoje esse nogeira pinto permite-se perder a vergonha (se é que alguma vez a teve),julgando que os outros perderam a memória de tudo aquilo que ele fez e se fez à sombra do salazarismo.Ser crápula não impede ser-se imbecil e muito imbecil será quem despreze o testemunho dos outros.

topa tudo disse...

Mais que salazarista,o nogeira foi director do semanário "Agora".

António Bastos disse...

Caro Nonas,
Muito obrigado pela sua referência. Naturalmente concordo com tudo o que escreveu. Esse "Abbé" é a imagem da dissolução da jacobina França, da diluição das fronteiras ideológicas. No fundo um blasfemo que prestou um péssimo serviço à Igreja.