11.10.08

Coincidente: a morte de Jörg Haider

"Viena, 11 Out (Lusa) - O líder do partido populista austríaco BZÖ e governador da Caríntia, Jörg Haider, morreu hoje vítima de um acidente de viação, anunciou à agência de imprensa APA a polícia de Klagenfurt. "O governador da Caríntia e líder do BZÖ, Jörg Haider, morreu na sequência de um acidente de viação às primeiras horas do dia, hoje em Klagenfurt", anunciou a agência, citando a polícia local.
Segundo as primeiras indicações, Haider, 58 anos, circulava sozinho a bordo da sua viatura de serviço no sul da capital da Caríntia quando sofreu um despiste por uma razão ainda desconhecida.
Haider ficou gravemente ferido na cabeça e no tórax e morreu pouco depois vítima dos seus ferimentos, revelou igualmente a APA."

5 comentários:

Anónimo disse...

É realmente uma cohencidência que a morte por despiste se tenha quase quinze dias das eleições e como bem refere o Nonas, sempre atento a estas coisas, a morte ocorre num dia 11.
Lembram-se do significado simbólico do dia 11 e do 11 de Setembro?

Ricardo Zenner disse...

O Anónimo das 12:28 tem toda a razão; a «assinatura» dos homicidas é óbvia.

Aliás, como é que um Volkswagen Phaeton, que tem a estrutura altamente segura do Mercedes Classe S, fica num estado pior do que o Mercedes da Princesa Diana? E sem ter chocado em nada sólido, apenas «despistado» por embater num murete de 10 cm de altura FORA DA ESTRADA?

Agora já nem são precisos Lee Oswald para bodes espiatórios - os globalistas preferem os «acidentes» - como o de Sá Carneiro, o do General Patton e agora o de Jörg Haider.

Paz à sua alma.

Diogo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sacador disse...

Sou pouco pela «paz das almas»... As que eram nossas, andam por aí «reviradas» (e, pelos vistos, por aí a saltitar...), mas reconheço alguma razão ao Nonas (bem como ao labor dos anti-Globalistas): só acrescento mais o Enrico Mattei, o Aldo Moro, etc...

Anónimo disse...

Inacreditável. Mas tinha que ser. Até admira que não tenha sido há mais tempo. E não o foi, única e simplesmente por ele se ter voluntàriamente afastado por algum tempo da ribalta política, após o seu enorme sucesso obtido nas últimas eleições. As ameaças choveram-lhe de todos os lados nessa altura.
O autêntico terror que os mundialistas sentem de que patriotas, como o Haider, possam ascender ao poder retirando-lhes o predomínio que detêm sobre os governos mundiais, leva-os a cometer os mais irrisórios (mas gravíssimos) atentados, fàcilmente detectáveis a milhares de quilómetros de distância e eles já nem se dão ao trabalho de os camuflar. Deixam essas manobras de diversão aos respectivos governos, que os respaldam e cujos crimes encobrem.
É justamente para isso que servem as "democracias".
O capitalismo desenfreado por detrás do qual se escondem, revelando-se, os Bilderbergers e suas ramificações, avança imparável à velocidade
de luz sem que aparentemente nada nem ninguém o consiga deter. Onde eles estão mais activos é na Alemanha, Austria, Inglaterra, Holanda, França, Espanha e Estados Unidos - seu quartel general. O que não
quer dizer que não cometam os atentados julgados por convenientes em qualquer outro país do mundo onde se infiltram com a maior das facilidades, até nos não-democráticos. O que eles não podem consentir de modo algum é que verdadeiros patriotas alcancem o poder nos países cujos sistemas eles já controlam totalmente, sob pena de lhes atrazarem os planos de poderio mundial e escravização da humanidade.
Quando aparecer outro Haider, nesse ou noutro país qualquer, acontecer-lhe-á o mesmo 'acidente' mas com outra roupagem (como aconteceu há uns anos na Holanda a P.F., há dez anos a Diana e quase diàriamente num ou noutro país e não só a políticos como também a cientistas, activistas, etc., que, ou se 'suicidam' ou sofrem brutais 'acidentes' de viação, de aviação e por aí fora). Eles só pararão se aparecer um forte e alargado movimento de patriotas, a nível dos vários continentes, que os enfrente e destrua. Rezemos par que isso aconteça o mais depressa possível. Que desapareça da face da Terra quem tanto mal tem feito à humanidade. Para que esta tenha enfim descanso.
Maria