31.12.10

Isto não é racismo, oh SOS racismo?

Manifesto contra relações entre judias e árabes

Um grupo de 27 mulheres, esposas de rabis israelitas, lançou um apelo para que as mulheres judias não se envolvam sentimentalmente com árabes.
Uma carta distribuída pela organização Lehava insta as mulheres judias para que "não se relacionem com árabes, não trabalhem em locais onde árabes também o façam e não se voluntariem para o serviço militar com eles".
As signatárias afirmam que os árabes utilizam por vezes nomes hebraicos e sabem "ser educados" mas avisam: "Assim que vos têem ao seu alcance, nas suas aldeias, sob controlo completo, tudo se torna diferente: as vossas vidas nunca mais serão as mesmas e a atenção que procuram será substituída por insultos, abusos físicos e humilhações".
"Os vossos avós nunca sonharam que um dos seus descendentes, apenas por um acto, venha a obliterar gerações futuras do povo judeu", conclui o manifesto.O manifesto é a última de uma série de várias iniciativas governamentais, religiosas e civis em Israel no sentido de evitar relações sentimentais "mistas".

7 comentários:

O Reaccionário disse...

Caro Nonas,

Não sei se reparou, mas na coluna da direita do site do Correio da Manhã podemos ler que Natalie Portman (actriz judia) vai protagonizar uma cena lésbica com Mila Kunis (outra actriz judia) no filme 'Cisne Negro'. Ou seja, é a velha história de sempre: os judeus defendem a pureza do "povo eleito", mas promovem a conspurcação dos "goym".

Como disse Jesus Cristo: Filhos do Demónio! Raça de víboras!

Ricardo Zenner disse...

E depois ainda dizem mal do Tio Adolfo!... Pois é, afinal ele até tinha razão!

P.S.: A Natalie Portman é israelita de nacionalidade, e não de raça. Bastará aplicar os princípios identificativos do Dr. Alfred Rosenberg para nos apercebermos disso. Quanto à outra...

Anónimo disse...

Imagino se fossem os povos europeus (franceses, italianos, alemães, portugueses, sérvios ou dinamarqueses) a defender tal coisa, para preservarem a sua estirpe... caía o carmo e a trindade.
100% identidade
14 palavras

Skedsen disse...

O racismo destes gajos é uma pipa de azeite estragado! Enfim, é por estas e por outras que a conflagração final está próxima. Correrá muito sangue e haverá muita chapada...

rnpd disse...

Acho que aconteceu alguma coisa ao meu comentário, por isso volto a perguntar: o que há de criticável nisto? Não era isos que nós também deveríamos fazer?

nonas disse...

O que há de criticável é a hipocrisia e a dualidade de critérios.
Se nós fizessemos o mesmo, estariamos a repetir as Leis de Nuremberga e isso é condenável pelos direitos humanos, pela pessoa humana, pela liberdade, pela igualdade, pela igreja católica e... rebebéu pardais ao ninho.
Agora, como é feito por "eleitos" já nada disto se coloca não fosse Israel o estado mais racista do mundo!

rnpd disse...

Sim, mas isso é uma questão diferente, porque nesse caso o que deveria ser alvo de crítica não seria esta posição dos israelitas, antes pelo contrário, mas a duplicidade de critérios que impediria a mesma defesa identitária por parte de outros povos.