2.11.11

Lucien Rebatet. Prof. António José de Brito

LUCIEN REBATET


Depois do triunfo da cruzada democrática de 1939-45, a categoria dos “escritores malditos” recebeu um dos consideráveis reforços. Um dos países que mais se distinguiu na especialidade foi, sem dúvida, a França dos direitos do homem, da liberdade, da igualdade e da fraternidade.
Os anos, contudo, passaram e os furores pouco a pouco atenuaram-se, embora não tenham desaparecido. Já não se fuzila com toda a naturalidade o herético e com lastimável frouxidão condena-se apenas à obscuridade e ao silêncio. E, por vezes, vozes surgem a defendê-lo e a dar-lhe uma relativa absolvição. Na maior parte dos casos, a defesa e a absolvição consistem em apresentá-lo como um frouxo, dominado, por hesitações a caminho de passar para o outro lado da barricada – só que não teve tempo.
No entanto, de entre os malditos, há um de nível supremo, para o qual, - salvo raríssimas excepções – não há perdão nem piedade possíveis. É o caso de Lucien Rebatet. Drieu La Rochelle e Robert Brasillach já vão recuperando, muito atenuadamente, conforme se compreende, o direito de cidade. Rebatet, não, continua a ser um repulsivo, um abjecto, à máxima potência.
Por certo alguns traços caracteriológicos da sua personalidade não o tornam em extremos atraente. Durante o julgamento não mostrou a intransigente coragem de Robert Brasillach ou de Pierre Antoine Cousteau. E, após, a saída da prisão patenteou um certo amolecimento.
Apesar de tudo, não deixou jamais de merecer o qualificativo “d`étonnant garçon” conforme o classificou o autor dessa bela e delicada evocação de “Notre Avant Guerre”.
Diga-se, desde já, que as suas ambições literárias, corporizou nos romances “Les épis mûrs” e, sobretudo, em “Les Deux Étendarts”, não me parecem atingidas. Excelentes críticos consideram essas obras, em especial a última, como textos marcantes do século vinte. Na minha modesta opinião, “Les Deux Étendarts”, tem demasiada teologia e metafísica para uma obra de ficção e demasiada ficção para o que possui de teológico e metafísico. Quanto a “Les épis mûrs”, a grande exibição de conhecimentos técnicos de músicas faz quase desaparecer a estrutura da narrativa.
O que julgo uma obra-prima no género são “Les Décombres”. Grande êxito durante a Ocupação e, depois da chamada “libération”, alvo de pudicas, escandalizadas e virtuosas refutações. Trata-se de um mero panfleto político, dir-me-ão. Panfleto político, com certeza, mas não um “mero” panfleto político.
São seiscentas e sessenta e quatro páginas explosivas, em que se mesclam invectivas frementes, caricaturas implacáveis, ataques furibundos, sátiras impiedosas, demolições sem par, enquadradas numa atmosfera de irrespeito e cólera. Trata-se de uma espécie de vendaval a que está, imanente um patriotismo frustrado, bem como um revolucionarismo intomável.
A decadência francesa, testemunhada na maior e mais vergonhosa das derrotas, põe Rebatet fora de si. Na sua exaltação aplica o ferro em brasa à ferida, com a esperança de fazer desaparecer as causas da catástrofe terrível.
Na reedição, inserida nas “Mémoires d`un fasciste”, ele suprimiu algumas partes por motivos de gratidão pessoal perfeitamente respeitáveis. Pela minha parte prefiro os Décombres sem insinuações, na sua força impiedosa e terrível. Claro que nem sempre Rebatet é duma justiça perfeita. No tocante a Maurras, se aponto justeza deficiências na sua acção política, esqueceu que o passivo foi amplamente superado pelo activo. Sem Maurras, talvez não houvesse pensamento anti-democrático visível na Europa.
Em 1969 veio a público, “Une Histoire de la Musique” apaixonada e apaixonante, evidenciando a imensa cultura do escritor. Mero diletante seria atrevimento meu se formulasse reparos de fundo. Apenas uma breve anotação.
Assevera Rebatet que Richard Strauss detestava o regime nacional-socialista. Talvez se baseie em declarações feitas ou atribuídas pelo admirável criador do “Cavaleiro da Rosa” depois de 1945. A verdade é que, nas já citadas “Mémoires d`un Fasciste”, Rebatet o mostra, no Festival Mozart em Viena, organizado por aquele regime, recebendo os representantes franceses com toda a naturalidade. E os seus oitenta anos foram festejados em toda a Alemanha, com felicitações de Hitler e tudo o mais.
Adiante, porém.
Sob o pseudónimo de François Vinneuil, Rebatet mostrou-se um excelente crítico de cinema. Recentemente foram reeditados alguns dos seus artigos com o título “Quatre ans de cinema (1940-1944)".
Ao ler essa compilação voltaram à minha memória algumas das grandes produções da época, que é considerada a idade de ouro do écran francês.
Não havia em tal obra grandes referências a películas alemãs. Em todo o caso, aparecem as considerações que ele consagrou a três admiráveis produções germânicas: a “Cidade Dourada”, o “Barão Aventureiro” e “Opereta”.
Na primeira, um deslumbrante colorido fazia esquecer a banalidade da história (uma jovem camponesa seduzida). Na segunda, a cor alia-se à mais extraordinária fantasia, acompanhadas pela estupenda interpretação de Hans Albert.
Quanto à “Opereta”, permitam-me algumas notas pessoais. Quando – há que anos! – vi o filme, fiquei desiludido. Esperava algo predominantemente musical, com relevo para os grandes compositores do género, entre eles Franz Lehar. A leitura do artigo de Rebatet fez-me hoje mudar de opinião. Mau grado o título, tratava-se apenas da história de um grande métteur en scène (a expressão francesa é a que parece mais adequada) na Viena do século XIX, que acaba por triunfar, nesse ambiente delicioso de despreocupação, alegria e pitoresco. Com um grande fair play, o nacional-socialismo permite a ressurreição e, em certa medida, a reabilitação desse período decerto porque, apesar de toda a sua frivolidade, mostrava grande qualidade do teatro ligeiro germânico e o mérito dum labor incessante, para além de intrigas de bastidores e rivalidades pessoais.
Lucien Rebatet, embora, tardiamente, permitiu-me ver com outros olhos a “Opereta”. Graças lhe sejam dadas, a ele, o maldito entre os malditos.

António José de Brito

3 comentários:

Anónimo disse...

Brilhante testemunho. Nem outra coisa seria de esperar dado o insigne autor que lhe esta' na origem.
Por mim dou-lhe os parabéns por trazê-lo aqui.
Maria

rnpd disse...

Nonas, foi escrito especificamente para o blog?

nonas disse...

Inicialmente, sim. Depois, foi publicado n`O Diabo.