15.12.09

Livro: Timor, Abandono e Tragédia de José Morais e Silva e Manuel Amaro Bernardo

Faz hoje 34 anos que o Tenente-Coronel Rui Alberto de Maggiolo de Gouveia foi assassinado por um pelotão de fuzilamento - do qual fazia parte Xanana Gusmão - da Fretilin juntamente com mais 60 prisioneiros após terem escavado a vala comum onde seriam enterrados, em Aileu. Este herói militar português foi alvejado pelo carrasco Mari Alkatiri conforme os testemunhos recolhidos neste livro que acaba por ser uma homenagem ao antigo Comandante da Polícia de Timor.
Este magnífico livro sobre a trágica descolonização de Timor, editado pela Prefácio, em 2000, revela ao longo das 270 páginas toda a traição orquestrada desde o MFA em Lisboa, pelos Governos Provisórios; o papel do Governador Lemos Pires; os subversivos papéis fundamentais dos majores Arnão Metelo, Fernandes Mota e Costa Jónatas, representantes comunistas da Comissão Coordenadora do MFA; os espancamentos e as torturas por Hermenegildo Alves, Rogério Lobato e Alarico Fernandes feitas na prisão a Maggiolo; o provável acordo secreto entre Lisboa, Washington e Jacarta para que Timor passasse a ser a 27.ª província da Indonésia - conforme escreveu e defendeu Mário Soares - devido à importância do petróleo nas águas timorenses, do importante papel geopolítico regional da Austrália e dos interesses do Tio Sam da qual resultou a invasão militar indonésia com o beneplácito do presidente americano Gerald Ford e do "guru" Henry Kissinger depois da visita destes senhores do mundo a Jacarta; a guerra civil timorense causadora de 3.000 mil mortos.
Faz parte das páginas do livro o extraordinário depoimento de sua Mulher, D. Maria Natália Maggiolo de Gouveia; a célebre e pungente carta do Bispo de Dili, D. José Joaquim Ribeiro que relata os momentos do fuzilamento e a alocução radiofónica dirigida às tropas portuguesas estacionadas em Timor.
Aqui fica a singela homenagem ao herói militar condecorado com a Medalha de Prata de Valor Militar, com Palma, em 1967, por actos praticados em Angola e com a Medalha de Cruz de Guerra colectiva à Companhia de Caçadores n.º 1522 comandada em Angola, em 1968, por Maggiolo de Gouveia.
Finalizo com o testemunho das palavras corajosas de Maggiolo aos seus algozes:
"Irmãos, nós estamos já preparados para comparecer no Tribunal de Deus, lá vos esperamos também a vós. O meu único crime foi o de não renegar a minha fé e o de amar Timor. Morro por Timor. Morro pela minha Pátria e pela minha fé católica. Podeis disparar."
Magiollo de Gouveia - Presente!

1 comentário:

Margarida Az disse...

Peço desculpa mas não percebi ... "pelotão de fuzilamento - do qual fazia parte Xanana Gusmão - da Fretilin" quer dizer que Kay Rala Xanana Gusmão fazia parte do pelotão de fuzilamento?