31.7.08

Última hora - IV

A Comunidade Israelita de Lisboa emitiu um comunicado denunciando o aproveitamento político/económico da parte do SLB, sobre a perigosa e concorrente manifestação dos Filhos da Luz a ocorrer nos próximos dias em Lisboa.
A CIL convoca todos os seus numerosos membros, seis milhões também, conhecidos por Filhos da Memória do Holocausto Passado e Futuro para que se manifestem no percurso entre o Largo do Rato e Belém contra essa perigosa manifestação lampiónica que, exageradamente, qualificam de anti-semita.

Última hora - III

A rádio Benfica Livre, no programa anual Este ano é que vai ser!, anunciou que o Orelhas, revoltado pelo facto do Prof. Silva não se ter referido sobre o estado da Nação Benfiquista e o seu estatuto uefeiro na Liga dos Campeões, exortou a que todos os seis milhões façam uma manifestação com a criação de um cordão humanitário entre o Estádio da Luz e o Palácio de Belém e que cada um leve uma vela acesa. Uma verdadeira ideia luminosa contribuindo para a poupança da luz eléctrica durante o percurso. Estes seis milhões de manifestantes a quem o Orelhas já intitulou Filhos da Luz, vão passar pela Assembleia da República e pelo Conselho de Estado onde farão a entrega de uma petição exigindo a demissão do actual PR e a sua substituição por Mantorras - dada a incapacidade física de Eusébio para o cargo devido ao crónico problema de saúde que este apresenta ao nível do joelho esquerdo - esperando que este movimento velório/iluminista consiga alcançar os seus luzes e ofuscos intentos.

Última hora - II

Fontes próximas, vizinhas e não oficiais aventam a fortíssima possibilidade do Prof. Silva conjuntamente com o Presidente da UEFA, Michel Platini, anunciar a participação directa do SLB na Liga dos Campeões para gáudio dos seis milhões!

Última hora - I

O BOS avança com uma possibilidade aterradora, preocupante, vergonhosa e escandalosa para o discurso-relâmpago no telejornal-show das 20 horas a ser transmitido pelos três canais televisivos. Desconhece-se se a CNN conseguirá transmitir este programa de entretenimento para todas as idades.
Será que o Prof. Silva vai mesmo celebrar o 5.º aniversário do
Sexo dos Anjos?
O que terá feito de mal e/ou de errado o Manuel Azinhal?
Lá que anda num comprometido e comprometedor sossego blogosférico, isso anda!

Pintura de Cristofano Dell`Altissimo: D. Sebastião

D. Sebastião - Cristofano Dell`Altissimo
Óleo sobre madeira.
Galeria dos Uffizi. Florença, Itália.

28.7.08

Jornal de Notícias: Combatentes querem trazer mortos de África

O Jornal de Notícias de hoje, na página 4 noticia: «O Movimento Cívico de Antigos Combatentes está a promover um abaixo-assinado, por todo o país, pedindo a trasladação dos mortos da guerra do Ultramar. Só dessa forma, consideram, se fechará o ciclo da descolonização.
A recolha de assinaturas teve início no passado dia 10 de Junho e é, no entender de José Nascimento Rodrigues, do Movimento Cívico de Combatentes, "uma nova luta sem armas". Para além do apoio de mais de duas dezenas de associações de antigos combatentes que, no terreno, estão a recolher as assinaturas, o Movimento Cívico - criado em 2006 - espera contar, em breve, com a participação da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) que, conta o responsável, "se mostrou sensível ao problema".
As pretensões do Movimento Cívico foram dadas a conhecer, ontem, no decorrer do quinto encontro de pára-quedistas em Fátima, iniciativa que contou com a participação de cerca de dois milhares de pessoas, entre actuais e antigos 'boinas verdes' e respectivos familiares.
José Nascimento Rodrigues explicou que "o sonho" de devolver às famílias os corpos dos "3.026 militares que pereceram em combate" e que estão "abandonados em cemitérios e campas em estado degradado" ganhou uma nova dimensão com a recente trasladação dos três últimos pára-quedistas, falecidos em 1973, na Guiné.
"As dificuldades terão que ser ultrapassadas porque sentimos que, no país, toda a gente está sensível para que este problema seja resolvido", afirmou, frisando que a vontade terá, agora, que partir do Governo português e dos governos dos países africanos de expressão portuguesa - Angola, Guiné e Moçambique. "Tem que haver muitas negociações e uma dose de boa-vontade para se conseguirem as autorizações necessárias para trazer esses corpos para cá", considerou.
Mas está optimista em relação aos resultados. "No espaço de quatro ou cinco anos, isso será possível", defende, acrescentando que o desejo do Movimento Cívico que representa é de que, "a 10 de Junho de 2012, essa situação possa estar resolvida".
As assinaturas, que poderão ascender a mais de 100 mil, serão entregues na Assembleia da República ainda este ano ou no início de 2009, explicou.»

Ao que parece, finalmente, tomaram a consciência de trazer para Portugal continental os combatentes que em solo das ex-províncias ultramarinas portuguesas morreram em combate e em defesa dos valores pátrios.
Podem estar certos que com isso "não se fechará o ciclo da descolonização". Pode ser, sim, o início do julgamento dos traidores da "descolonização exemplar" que passou a "descolonização possível" e que já no dizer de alguns (ir)responsáveis como Melo Antunes passou a "descolonização trágica"!

Anexo: Lista de recolha de assinaturas. Logo que completa, enviar p.f. para: Clica aqui para acederes ao ficheiro
Em suporte digital: m.civicoantigoscombatentes.2006@gmail.com
Em suporte físico: (Morada provisória):
Movimento de Antigos Combatentes - Rua Eleutério Teixeira, Nº10-A
2825-152 Monte de Caparica – Almada - Portugal
Esclarecimentos: Telef. 265 530 090 / Fax 265 236 756

Público: Qualquer cigano em Portugal dirá: primeiro sou cigano, depois sou português

No Público, na página 7, este texto assinado por Andreia Sanches. Tirem as vossas conclusões. E nós é que somos racistas!!!
«O "povo cigano" não tem um território - "é inimaginável um país de ciganos" -, mas tem uma bandeira e um hino, explica Vítor Marques, fundador da União Romani Portuguesa. "Há uma identidade mundial cigana", defende. Se confrontado com a questão, "qualquer cigano em Portugal dirá: primeiro sou cigano, depois sou português". Mas há quem pense de outra forma.
O investigador Pereira Bastos considera que um português cigano pouco tem a ver com um romeno cigano, por exemplo. "O que caracteriza os ciganos é a sua profunda adaptabilidade aos contextos locais, da Turquia, do Egipto, da República Checa, à Roménia... De tal maneira que praticamente não há coisas comuns."
Certo é que tanto o hino como a bandeira - bem como o Dia Internacional dos Roma/Ciganos (que se assinala a 8 de Abril) - foram oficializados no primeiro Congresso Mundial Cigano que teve lugar em Londres em 1971.
Segundo informação disponibilizada pelo Alto Comissariado para a Integração e Diálogo Intercultural (Acidi), hino, bandeira e dia internacional são aceites pela maioria das associações de ciganos - que constituem a minoria étnica mais importante e numerosa da Europa, com oito milhões de pessoas.
Há ainda o romani, uma língua derivada do sânscrito, base de uma grande quantidade de dialectos locais utilizados pelos ciganos de todo o mundo. "Mas não é nada certo que, se chegar aqui um húngaro a falar romani, consiga entender-se com o português", diz Pereira Bastos.
A variante mais falada na Península Ibérica é o caló. "Em Portugal, o caló mistura palavras portuguesas, espanholas, romani", explica Vítor Marques. "Por exemplo: 'pani' significa 'copo-de-água'."
Os ciganos sempre acreditaram numa entidade divina superior que tudo rege, tendo abraçado as várias religiões com que se depararam ao longo do tempo, ainda segundo informação do Acidi. Em Portugal, há ciganos católicos e evangélicos - sendo que as igrejas evangélicas ganharam grande força nos últimos anos dentro desta comunidade.»

O acordo EUA/MPLA e o petróleo de Cabinda

"O general Diogo Neto, que se encontrava em Angola nas vésperas da independência, diria: «Estive em Luanda até ao dia 8, altura em que fui evacuado. No dia anterior à minha partida as duas colunas estavam perto da capital, mas foram obrigadas a parar por pressões diplomáticas dos EUA. O consulado americano de Luanda encerrou no dia 2 ou 3 e um dos seus membros, que suponho da CIA, disse-me antes da sua partida que estava tudo combinado. Concluí que os americanos pretendiam chegar a um acordo com Neto sobre o petróleo de Cabinda»(1). Com efeito, uma delegação do MPLA, presidida por um dos seus máximos dirigentes, Mingas, insistiu especialmente em que eram óptimas as relações entre a companhia Gulf que explorava o crude de Cabinda e o seu Movimento(2). Este acordo do MPLA com os sectores petrolíferos americanos ainda se mantém. Almeida Santos, reflectindo sobre a posição dos EUA na fase final da descolonização, diria: «Kissinger entendeu que durante um período era preferível que viessem os soviéticos para ser uma vacina para o resto de África. Em termos de processo histórico, se o ocidente tivesse ficado em Angola a partir de 1974, o prestígio da URSS seria muito maior. Se tivessem passado toda a crise económica sob a influência ocidental, teríamos tido grandes dificuldades económicas e quem estaria hoje queimado seria o ocidente e o desejado seria a URSS. Agora sucede o contrário e agora é o ocidente o desejado.»(3)"

Notas:
1 – Fonte desconhecida.
2 – Documentos para a história da descolonização de Moçambique, Baluarte, n.º 1, Janeiro 1976, p. 6.
3 – Secretariado MFA, texto policopiado, 2 pp. Arquivo particular.

In Josep Sánchez Cervelló, A Revolução Portuguesa e a sua influência na transição espanhola (1961-1976), Assírio&Alvim, 1993, p. 280.

Operação Sarkozy

Operação Sarkozy: como a CIA colocou um dos seus agentes na presidência da República Francesa por Thierry Meyssan.

27.7.08

Leitura semanal

A Cidade do Sossego
Os campos de concentração dos bons
Há 869 anos, Ourique

A Voz Portalegrense

António de Oliveira Salazar
António de Oliveira Salazar
A Banalidade do Mal
A Vida Quotidiana na Palestina

Abominação
A corrupção do Poder

Alma Pátria-Pátria Alma
Os crimes dos "bons"
Seis razões contra o acordo ortográfico
Racismo olímpico ou marxismo?

Caceteiro
Limpeza étnica
A Justiça é cega...

Demokratia

No horizonte, a mudança
As novas do multiculturalismo
A Batalha e o milagre de Ourique

Movimento Legitimista Português
A democracia é a hecatombe

Nova Frente

A diplomacia do pedinte
Farto de engolir palavras

Odisseia
"Chek list" da morte de uma Nação
Fim da linha para Karadzic
"O meu irmão é filho único"

O Pasquim da Reacção

Prudência como Virtude e a Reeducação do Professor Hess

Reverentia
Afinal em que ficamos?
A extradição
Desde ontem...

Último Reduto
O meu irmão é filho único

Um Homem das Cidades
A Odigo de Macover

Inconformista

Pt. No Media

Pt. Novopress

Revisionismo em Linha

Tributo a Salazar

Funeral de Salazar

Salazar: 27 de Julho de 1970




26.7.08

Trasladação de Militares Mortos na Guerra do Ultramar

Resgate na Guiné - Operação Inédita em Portugal

O regresso dos combatentes do Ultramar

Finalmente, inicia-se hoje o processo do regresso dos combatentes no Ultramar, enterrados nas ex-províncias ultramarinas portuguesas, mortos em combate, em missão de soberania e na defesa de Portugal.
É o caso de três pára-quedistas mortos em Guidaje, na Guiné.
A ler:
Diário de Notícias, Expresso, Público, Correio da Manhã, Diário Digital, Portugal Diário, Lusa, RTP e ver as reportagens da SIC e da RTP (1, 2, 3, 4).

A história da Marcelírica pelo Manlius

«(...) Eu vou contar um bocadinho da história que envolve este poema saga.
No café Avis, ali nos Restauradores reuniam-se diariamente algumas tertúlias literárias, político-literárias e/ou de maledicência. Também era (nas mesas da frente que davam para a Praça) o local de encontro dos sportinguistas.
Numa das mesas quem se sentava? Pois nem mais do que o bom do Tomás de Figueiredo, o muito nosso Goulart Nogueira e quantas vezes o Rodrigo Emílio.
E eu, "puto" por ali andava a circular entre as mesas, entre as conversas. Um dia (já em plena marcelice) ouço uma frase que me deixou banzado. Tomás de Figueiredo clamava: "este gajo (o Marcelo) ainda me vai fazer salazarista". Como sabem Tomás para além da sua costela monárquica (logo não perdoando a Salazar a República) tinha um contencioso também provocado pela prisão do seu filho às ordens da PIDE, por pertencer à célula cultural do PCP dirigida pelo Dias Coelho. Os pinotes que ele deu quando o seu rebento foi "dentro". Até Salazar foi metido ao barulho e cortesmente fez ver ao escritor que havia provas irrefutáveis da acção do pimpolho lá no partido. Mas nem assim. O ódio ficou para todo o sempre. Daí o meu espanto (e do Rodrigo, esse sim intímissimo de TF) pelo teor da frase.
Até que um dia em que se dizia de Marcelo o que Maomé não disse do toucinho, Tomás de Figueiredo rapa da caneta e no papel que cobria a mesa começou a escrever a primeira estrofe desta saga. Quando acabou leu-a em voz alta e voltando-se para o Goulart disse-lhe: vamos fazer uma desgarrada a 4 mãos. Continua tu.
E o Goulart continuou.
E nos dias que se seguiram lá saiam duas estrofes diárias, ora um, ora outro, passando a bola, com algumas maldades pelo caminho para tornar mais difícil a continuação.
E por fim, lá se considerou acabada a obra.
Logo alguns malfeitores aproveitaram para a passar à máquina, com original e 4 químicos. Saíram assim daquela forja algumas centenas de cópias. Foi um sucesso. Todos queriam a sua cópiazinha. Amândio que assistiu à sua manufactura fez distribuir largas dezenas de cópias. Natália Correia "exigiu" só para ela uma cinco cópias.
Marcelo teve conhecimento. Ficou danado. César Moreira Baptista, exigiu saber quem era o autor: pensou-se no Goulart, no Rodrigo, no Amândio, no António Lopes Ribeiro, etc. Só ninguém se lembrava do nosso Tomás de Figueiredo.
Houve ameaças de retaliação contra os presumíveis facínoras. Foi um fartum. Mário César Ferreira, escritor de mérito e Inspector da PIDE também foi metido ao barulho para investigar quem era o "facínora". E ele que estava na mesa contígua, na tertúlia ao lado, declarava alto e bom som que nem fazia ideia e (mais ainda) que não conseguia detectar (pelo género literário) o autor.
Enfim foi um forrobodó, que deixou a marcelagem toda em fúria.
E esta é a pequena história de uma saga (à mesa do Avis) plantada, com um grande gozo de todos a que ela assistiram.
Daí a minha muito grande pena da presumível perda (para todo o sempre) desta jóia da "poesia de escárnio e mal-dizer do século XX português. E ainda por cima escrita pelos dois vultos que lhe deram a forma e o conteúdo.»

A Marcelírica: poema de Tomaz de Figueiredo e de Goulart Nogueira

Marcelo José das Neves,
Das Neves Alves Caetano.
Das Neves rima com greves
E Caetano com magano
E José, José, José
Rima bem com cambapé
Cambapé é uma rasteira
Igualzinha à tua asneira
Quiseste passá-la ao Botas,
Mas só achaste derrotas.
Apoiaste o reviralho,
Ó meu cara de trabalho,
Aumentaste a confusão,
Foste um doce pré traição.
Marcelo, mar de marmelo,
Marmelada de chinelo.
O chinó pré-contrabandista
Pré careca comunista.
Mais vale sê-lo, mais sê-lo
Que parecê-lo, Marcelo!
E tu, tens de cor velha,
Puseste a sala vermelha.
E selo, leva-o tu
Com pontapés no -ú-ú-ú
Sabes com que rima Alves?
Rima, Caetano, com talves.
Talves te espremas, marmelo,
Meu vento pífio amarelo.
Talves te sumas, ó Neves
Marcelo José das greves.
Talves te mirres, marmelo
Talves te rasgues, Marcelo,
Talves te cosas, ó Alves
Talves te escorras, talves,
Ó chupista ambicioso,
Ó presuroso inditoso,
Oportunista grevista,
O que tu queres é alpista.
Já te conhecem, Marcelo,
Melro de bico amarelo,
Ó candidato a chefinho,
Caneca de água com vinho.
Meu meias-tintas, bufão,
Catão-cotão, aldrabão.
Ó Neves, ó Neves, ó Neves
Dos graves modos, das greves,
Vê a asneira que cometes!
Não paras nessas retraites.
Tu vais caindo, caindo.
E vais aí ter! Que lindo!
Talves te desfaças todo,
A abrires-te desse modo.
Talves, talves, talves, talves.
Das Neves Marcelo Alves
Ó Alves José das Neves,
Alves Caetano das greves,
Marcelo Neves José
Lava a cara no bidé,
E onde hás-de lavá-la tu,
Ó Neves cara de Ubu?
Já te chamaram terrífico
Os que te chamam magnífico.
Hoje é a traição que te invoca,
Marcelo galinha choca.
Cacareja, à estudantada!
Que grande cacarejada!
Do arejo sai um odor
Cada vez pior, pior.
É cheiro russo e vermelho
E chamusco de chavelho.
É cheiro de foge o pé,
De escorregar, José,
De José Alves Marcelo,
E de foice com martelo,
De José Alves Caetano
De ratazana de cano
De Caetano Alves das Neves,
Dos passos falsos e breves,
Das breves podres carreiras,
Das moscas e das asneiras.
Carreiras ou correrias
Pra nos trazer porcarias,
Pra nos trazer – o doutor! –
Este cheirete, este odor.
Ó Caetano Alves das Neves,
Marcelo José das greves,
Das Neves Alves Caetano,
Ó Alves José do engano,
Marcelo, burro com sela,
Tóchinha, pequena vela,
Toucinho, magro presunto!
Marcelo cheira a defunto,
Marcelo cheira a grevista,
Cheira a peste, cheira a pista.
Depois de posta mamada,
Pões as mamas de criada,
Vais servir o comunismo,
Marcelo José Cinismo,
Marcelo José Compota,
Meu marmelada, anedota.
Pata, pita, peta, pé,
Marcelo Alves José,
Marcelo José Caetano,
Caetano José marçano,
Tanto importa, tanto faz,
Dito da frente pra trás,
Dito de trás pra diante,
É sempre o mesmo tratante.
Caetano José das Neves,
Castanha chulé das greves,
Alves Caetano Marcelo,
Alças de pano de adelo,
Das Neves Alves Caetano,
Comes-e-bebes, tutano,
Tétano, Alves e Calvos,
Marcelo, mas de papalvos,
Marcelo, chá de macela,
Macela, massa, mistela,
Maçudo, um, mamarracho,
Maço, mula, mala, tacho,
Alves Caetano das Neves,
José Marcelo das greves,
Marcelo Caetano Alves,
Talves que te sumas, talves.

Tomaz de Figueiredo e Goulart Nogueira.

25.7.08

Traição de Marcello Caetano

«Para mim, existiram vários factores, que levaram ao precipitar do 25 de Abril. Pelos contactos tidos, na altura, com o meu pai(1) e com o Eng. Santos e Castro(2), sabia-se estar em preparação, a nível político português, uma manobra de grande envergadura, ligada àquilo que estava a ser feito com o complexo de Sines. Esta estrutura destinava-se a destilar o petróleo de Angola, fugindo aos esquemas de produção controlada, de modo a oferecer ao mercado europeu um petróleo de custo extremamente mais baixo que o do mundo árabe. Assim Portugal passaria a ter um peso maior, a nível internacional.
Daí poderiam advir numerosas contrapartidas, tais como condescendência política e diplomática, a nível internacional, em relação ao problema africano. Também com a baixa de preços poderia haver outra política de aquisições de material de guerra…» (p. 201)
«(…) Esse petróleo tornar-se-ia num reforço da capacidade de manobra de Portugal no mundo. Assim, nas nossas conversas chegámos à conclusão de que o facto de a oposição portuguesa acabar por ter, então, o apoio internacional e até meios financeiros de que terão passado a usufruir, foi exactamente a necessidade de contrariar essa grande manobra do governo português…
- Qual a razão do falhanço dessa estratégia?
Porque a nível internacional não interessava que Portugal viesse ter a poder económico. Que ficasse na CEE, mas na cauda da fileira… Tal não interessava, até aos países europeus: Portugal continuar a utilizar meios que a eles tinham sido negados, ou obrigados a isso.
- Passaram, então, a boicotar esse projecto…
Chegou a ser projectada uma acção, com o efectivo apoio da França, em relação à Guiné-Conakry, e não como a que tinha sido realizada, anos antes…
Encontrava-se também previsto o fornecimento do petróleo angolano à África do Sul, através de um pipe-line, que atravessaria o Sudoeste Africano (hoje Namíbia), com a contrapartida de fornecimento de material de guerra, incluindo aviões militares. Isso foi recusado por Marcello Caetano, por considerar não haver relações com um Governo racista.
- Mas muita gente pensava que estava a ser ultrapassado o timing, em relação às possíveis negociações a fazer para normalizar a situação naqueles territórios…
Para mim a negociação apenas devia ser efectuada numa situação de supremacia militar. Assim, quando um país não consegue ter os seus fornecimentos de material de guerra suficientes e não possui a força diplomática necessária, a negociação será sempre em seu prejuízo…» (p. 202)

Nuno Barbieri
1.º Tenente
In Manuel Maria Bernardo, Memórias da Revolução, Prefácio Editora, Lisboa, 2004.
(1) - Refere-se ao ex-Director-Adjunto da DGS, Barbieri Cardoso.
(2) – Governador Geral de Angola até ao 25 de Abril e irmão do Coronel Gilberto Santos e Castro, fundador dos “Comandos” em Angola e, posteriormente, comandante da força da FNLA, apoiada por americanos e zairenses que, em 1975, invadiu Angola, com a intenção de ocupar Luanda.

24.7.08

O 25 de Abril e Marcello Caetano pelo general Silvino Silvério Marques

«O isolamento do Presidente do Conselho no Quartel do Carmo no dia 25, contra o que estava planeado no caso de emergência, o diálogo travado no Carmo (“Isto poder-se-ia ter evitado”, disse o gen. Spínola, “Não é altura para recriminações», respondeu o Presidente do Conselho), a ausência de ligações, naquele dia, com o Presidente e com os ministros mais responsáveis, são factos que confirmam aquilo que se ouviu de duas importantes fontes distintas: a revolução havia sido posta, pelos generais Spínola e Costa Gomes, à disposição do Presidente do Conselho que não aceitou encabeçá-la, nem se sabe tenha tomado disposições para a dominar. Isso justificaria a inacção do executivo e os comportamentos estranhos verificados naquele dia. O 25 de Abril teria sido pretexto para uma abdicação. O fácil sucesso teria resultado mais dessa circunstância do que da acção militar. E aproveitou, evidentemente, do prestígio e popularidade do gen. Spínola.» (pp. 242/243).

General Silvino Silvério Marques

In «Portugal e agora?», Ed. do Templo, 1.ª edição, Lisboa, 1978.

Só até o Algarve: poema de Goulart Nogueira

SÓ ATÉ O ALGARVE


Caminhemos com decência,
E não em passo de alarve:
Vamos com V. Exª.
Mas somente até o Algarve…

Há distâncias desmedidas;
Não fomos feitos p`ra elas…
Não estamos para corridas,
A querer caçar estrelas.

Terra-a-terra, e não pivetes
Temos muita previdência.
Deixemo-nos de foguetes:
Caminhemos com decência.


Há p`ra aí boca taurina
E há pernaltas! – Só p`ra mofa… –
Nós temos a boca fina,
A perna curtinha e fofa…

Não somos galgo novato,
Nem um cavalo que escarve.
Nosso passo é moderato
E não o passo do alarve.

Temos os foles cansados;
Pode faltar-nos o ar…
Encargos muito pesados
Não pudemos sustentar.

Florir nas terras maninhas
É contra a nossa potência.
Para vénias… palmadinhas…,
Vamos com V. Exª.

Dar um giro cá na quinta
- Até faz bem à saúde!
E pôr ovos que dão tinta
De um oiro que nos ajude…

Depois saem pintainhos,
Brasis fora desse alarde…
Somos muito jeitosinhos,
Mas somente até o Algarve.

Goulart Nogueira
P.S. - Extraordinário poema crítico e caricatural a Marcello Caetano. Verdadeiro exemplo da Direita muito direitinha (veja-se a forma como está na fotografia!), dos interesses e interesseira, abrangente, inteligente, gorda, balofa, burguesa até mais não, cheia de peso, conta e medida, que não se excede mas que cede a tudo por 30 dinheiros.

Boletim Evoliano: A Acha

Já está online o terceiro número do Boletim Evoliano dedicado ao tema "Símbolos da Tradição - A Acha".

23.7.08

Bastidores: O Mundo Português - Expo 1940

"Com a 16ª edição da Bastidores Luxury Magazine, oferta do primeiro fascículo de “Portugal de Outrora”, inteiramente dedicado ao “Mundo Português - Expo 1940”, com fotos inéditas da zona Belém antes, durante e o que ficou da exposição, ao tempo designada como “a maior exposição de todos os tempos".
Preço: 2,40€ mensais!
Uma pechincha!
Compra obrigatória!!!

O 25 de Abril e Marcello Caetano pela PIDE - II

«Por volta das 2 ou 3 horas da madrugada, recebi na minha residência um telefonema da DGS. Pedia-me que fosse buscar o presidente do Conselho de Ministros a casa, na Rua Duarte Lobo.
(…) Quando cheguei a casa de Marcello Caetano, ele já estava à minha espera. Cumprimentei-o, trocámos algumas palavras de cortesia. Entrámos no carro. Disse-lhe que o conduziria à 1.ª Região Aérea, em Monsanto, para onde ele fora no 16 de Março e como de resto estava previsto para situações de emergência. Marcello disse-me que não queria ir para Monsanto e impôs o Carmo como destino.» (p. 159)
«Entrei com o carro no quartel, estacionei na parada. Fomos recebidos pelo comandante da GNR, general Adriano Pires, que estava à nossa espera. Percebi depois que Marcello Caetano lhe telefonara de casa, antes de eu lá chegar, informando-o que iria para ali.
Passei o dia todo ao lado do presidente do Conselho. Ou estava com ele no gabinete do comandante, ou estava à porta.
Telefonou aos chefes militares e a alguns ministros. Talvez uma hora depois, chegaram o Moreira Baptista, ministro do Interior, e Rui Patrício, ministro dos Negócios Estrangeiros. Este, mal me viu, perguntou-me quanto tempo mais era preciso para sufocar a rebelião. Eu disse-lhe que, por mim, era já, mas estava tudo nas mãos do presidente do Conselho…
Entretanto, Marcello recebeu um telefonema do almirante Ferreira de Almeida, comunicando-lhe que estava uma fragata no Tejo pronta a bombardear as tropas sublevadas no Terreiro do Paço. Todavia, Marcello deu-lhe ordens para não disparar. Nunca percebi! A rebelião tinha acabado ali… Telefonaram-lhe também os generais Kaúlza de Arriaga e Santos Costa, dizendo-lhe que tinham unidades da Força Aérea e do Exército prontas a acabar com a sublevação, mas a todas essas indicações Marcello respondia ou que não queria um banho de sangue, ou que ficassem a aguardar ordens suas. As horas foram passando e… nada! Marcello nunca deu ordens a ninguém para resistir ou contra-atacar.» (p. 160)

Diogo Albuquerque
Chefe de Brigada da DGS.

In Bruno Oliveira Santos, Histórias Secretas da PIDE/DGS, Nova Arrancada, Lisboa, 2000.

22.7.08

O 25 de Abril e Marcello Caetano pela PIDE - I

«A PIDE ou o Governo já sabiam que ia ocorrer uma revolução a 25 de Abril?»

«É claro que sabiam. Principalmente depois do golpe das Caldas, a 16 de Março, controlávamos todos os movimentos dos militares subversivos. Sabe o que nos enganou? Estávamos convencidos de que o general Spínola dominava a situação. É que o general Spínola ainda nos inspirava alguma confiança, não era comunista. Sabíamos que ia dar-se o 25 de Abril, o que não sabíamos é que o 25 de Abril teria o desfecho que teve…»

«Acha que Marcello Caetano pode ter combinado com Spínola o 25 de Abril?»

«Tenho praticamente a certeza. Na manhã do dia 25 o director da PIDE, major Silva Pais, estabeleceu um contacto com Marcello Caetano, que já estava no Quartel do Carmo, e acordaram que uma brigada da polícia iria buscar o presidente do Conselho. Eu, o Sílvio Mortágua, o Abílio Pires e o Agostinho Tienza fomos os escolhidos. Num carro seguiram o Mortágua, o Tienza e eu. O Pires foi no seu próprio carro, atrás de nós. Seguimos em dois carros para que, em caso de necessidade, um deles pudesse executar uma qualquer manobra de diversão. Íamos esperar o presidente do Conselho à Rua do Carmo. Existe uma ligação – eu não quero ser romanesco e dizer que há uma passagem secreta – entre o Quartel do Carmo e a Rua do Carmo. Essa ligação ainda deve existir hoje, concerteza. O major Silva Pais combinou o nosso encontro com Marcello Caetano para esse local. Seguindo as suas instruções, parámos o carro mais ou menos a meio da Rua do Carmo, uns metros acima dos pilares do elevador de Santa Justa. Como o Marcello nunca mais aparecia, eu disse aos outros para permanecerem ali, subi a Rua do Carmo, virei na Rua Garrett, subi a Calçada do Sacramento e apresentei-me no Quartel do Carmo. Fui recebido pelo comandante-geral da GNR, que me conduziu até ao Marcello. Disse-lhe que estávamos à sua espera na Rua do Carmo, de acordo com o que havia sido combinado com o major Silva Pais, e o Marcello respondeu-me que não era preciso porque já tinha tudo tratado com o general Spínola!...» (p. 151)
«Nunca recebemos na PIDE qualquer ordem para atacar o Salgueiro Maia e as tropas estacionadas no Carmo. O que se esperava, aliás, era que as tropas fiéis ao governo pusessem cobro àquela situação irregular. Não puseram… E repare que a GNR aquartelada no Carmo era, só por si, uma força, um esquadrão de Cavalaria que tinha certamente autometralhadoras e que, sem necessitar de mais ninguém, podia acabar com aquilo. O Marcello Caetano é que nunca permitiu que a PSP ou a GNR actuassem. Se tivesse dado ordens concretas à PSP ou à GNR nesse sentido, aquilo acabava tudo em cinco minutos.» (p. 153)
Óscar Cardoso
Inspector da PIDE/DGS.
In Bruno Oliveira Santos, Histórias Secretas da PIDE/DGS, Nova Arrancada, Lisboa, 2000.

21.7.08

Revista Visão História: A queda de Salazar e a "primavera marcelista"

Fui um dos compradores do segundo número da Visão História por duas razões: uma pelo portfolio de Eduardo Gageiro, a outra pelas declarações de Mário Soares, de Pinto Balsemão e de Freitas do Amaral.

Pela primeira vez, após sempre o ter negado, Mário Soares conta a forma como foi convidado a fazer parte da lista da Acção Nacional Popular: «Antes de as “eleições” serem marcadas, fui apresentado ao novo secretário-geral da União Nacional (esse e os outros nomes só mudaram depois das eleições), Melo e Castro, pelo antigo director de O Tempo e o Modo, o meu amigo António Alçada Baptista, que, quando eu já estava no exílio, aceitou ser o autor de um livro de “entrevistas” com Marcelo Caetano, ou seja, como lhe disse em Paris, “o António Ferro de Caetano”, com menos fôlego e originalidade. Melo e Castro convidou-me para jantar, no Grémio Literário. Com algum cuidado e vários rodeios chegou ao ponto que lhe interessava: convidou-me para figurar, em destaque, na lista concorrente (e obviamente ganhadora) da Acção Nacional Popular.» (p. 88)
Mário Soares refere-se às eleições de 1969, as primeiras sob o mandato de Marcello Caetano.
E mais conta: «Realmente, no primeiro Conselho de Ministros, Marcelo Caetano fez sair um breve comunicado, fixando num ano a minha pena de deportação, contando o tempo de prisão antes sofrido, em Caxias. O que significava que estaria de volta a Lisboa em Novembro, dias antes de meu pai completar 90 anos.
Foi a primeira medida concreta da chamada “Primavera marcelista”.»

Sobre o bispo vermelho do Porto: «Entretanto, o bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes, continuava proibido de entrar em Portugal, no seu exílio no Convento de Tormes, em Espanha, perto de Salamanca. Decidi ir, com a minha filha a conduzir e o meu amigo Raul Rego, então director do República, e sua esposa, visitá-lo, para lhe expressar a nossa solidariedade.» (p. 87).
Por seu lado, o bispo vermelho do Porto endereçou a Marcello Caetano, datada de 29 de Maio de 1969, uma carta que teve resposta de Marcello a 12 de Junho, na qual diz: «Pode vir para Fátima, como deseja, quando quiser. Peço-lhe porém que não se dirija ao Porto enquanto a Santa Sé não resolver a situação do administrador apostólico» (p.82) e que gostaria que o seu regresso «tivesse lugar após o acordo do Governo com a Santa Sé» (p.83).
O testemunho de Freitas do Amaral é interessante e relevante quando atesta como êxitos: «reduziu drasticamente (numa primeira fase) os cortes da Censura; permitiu o regresso do bispo do Porto, exilado em Roma, e do dr. Mário Soares, com residência fixa em S. Tomé» (p. 67) e finaliza o texto desta forma: «Assim, a Revolução não se fez contra Marcello Caetano – mas contra as políticas de Salazar, e apesar das correcções tentadas por Marcello Caetano (por serem insuficientes, não por serem erradas). Por isso considero que este não merecia ter acabado como acabou.» (p. 68)

Balsemão na entrevista prestada a Pedro Vieira, quando lhe é questionado «o que pretenderia Marcelo ao chamar os “liberais”? responde: «Numa primeira fase, na fase da Primavera, era encontrar gente não comprometida e até com algumas provas, mesmo limitadas, como era o meu caso, de não estar com o regime de Salazar. Gente que não era da oposição clássica, mas com algum afastamento em relação, que depois podia apoiá-lo para fazer as mudanças. O problema era África. O prof. Marcelo Caetano, de início, quis caminhar para uma Federação, que depois evoluísse para uma espécie de Commonwealth. Numa das últimas conversas com ele, eu disse: “Bom, e a Federação e todo esse projecto?” E a resposta foi: “Aonde é que isso já vai!” Nunca me hei-de esquecer desta frase.» (p. 78)
Pinto Balsemão foi convidado por Marcello para se candidatar à lista da União Nacional pelo distrito da Guarda e reconhece a existência de uma amizade familiar com a família Caetano. (p. 78)

No que diz respeito à Ala Liberal, escreve Marcello Caetano no seu livro Depoimento: «Assentei com o dr. Melo e Castro em tentar recrutar para as listas da União Nacional um núcleo forte de jovens da ala progressista moderada, garantindo-lhes liberdade de movimentos desde que aceitassem os princípios fundamentais comuns à lista em que haviam de ser propostos aos eleitores» (p. 71).
Da Ala Liberal faziam parte: Sá Carneiro, Pinto Balsemão, Magalhães Mota, (estes três foram os fundadores do PPD), José Pedro Pinto Leite, Miller Guerra e Mota Amaral.

Duas outras e novas razões que me deixam satisfeito pela compra desta revista/lixo são: que os escrevinhadores de serviço, quais canetas de ouro, poderão vir a ser um dia Prémio Pullitzer, Prémio Nobel, Prémio Fernando Pessoa e que esta revista – sucessora (?) da revista História – demonstra às claras que Marcello Caetano foi um TRAIDOR ao Estado Novo e que passa a fazer parte - ao lado dos livros de Manuel Maria Múrias “De Salazar a Costa Gomes”, Nova Arrancada, Lisboa, 1998; de António José de Brito, “Sobre o Momento Político Actual”, ed, do Autor, Porto, 1969; e de Eduardo Freitas da Costa “Acuso Marcello Caetano”, Editorial Liber, Lisboa, 1975; - do libelo acusatório de traição aos princípios de Salazar e do Estado Novo confirmando as célebres e premonitórias de Alfredo Pimenta no seu opúsculo "Contra a Democracia”, pp. 6/7, Amigos do Agora!, 1949.:
«... O meu conceito de Democracia e a minha repugnância por este sistema absurdo de orgânica política, obrigam-me, por coerência mental e compreensão histórica, a desejar que o meu País não se deixe seduzir pelas fantasmagorias transparentemente interesseiras dos srs. Jorge Botelho Moniz e Marcelo Caetano, arautos da renovação democrática e da reconciliação na Democracia, e tenha sempre presentes os conceitos fundamentais expostos pelo sr. Presidente do Conselho no seu já famoso discurso de 7 de Janeiro deste ano, no Palácio da Bolsa, no Porto.»
Como Alfredo Pimenta os topava e já em 1949!!!

20.7.08

A semana marcelírica

Inicio amanhã uma série de postais a publicar durante esta semana sobre o traidor Marcello Caetano, uma baixa personalidade do Estado Novo.
Traidor ao ideário nacionalista e traidor na hora da entrega do poder ao "traidor traído" do general Spínola, o que só por si é a prática de um acto juridicamente ilegal e ilegítimo dado que Marcello era, apenas e só, Presidente do Conselho. Acima dele, estava o Presidente Almirante Américo Thomaz a quem deveria renunciar ao cargo. Não o fez por já estar feito com o monoculento Spínola, com quem desde a última semana de Março se vinha reunindo todas as noites.

Marcello abraçou, na sua juventude, o ideário do Integralismo Lusitano e foi o co-director da revista Ordem Nova, publicada entre Março de 1926 e Fevereiro de 1927.
Reconhecido mérito como Professor de Direito da cadeira de Direito Administrativo da Universidade de Lisboa, Comissário Nacional da Mocidade Portuguesa (1940-1944), ministro das Colónias (1944-1947), presidente da Comissão Executiva da União Nacional (1947-1950), presidente da Câmara Corporativa (1950-1955), membro vitalício do Conselho de Estado (1952-1974), ministro da Presidência (1955-1958), reitor da Universidade de Lisboa (1962) é nomeado para o cargo - para a desgraça de Portugal - de Presidente do Conselho de Ministros, que exerceu entre 27 de Setembro de 1968 e 25 de Abril de 1974.

Leitura semanal

A Cidade do Sossego
Ordinários
A ver se percebo, que eu sou um pouco limitado
Morangos
É tudo boa gente

A Voz Nacional
Chamam a isto kosher

Alma Pátria-Pátria Alma
Zangam-se as comadres

Manlius
Será que vão? Nã, não vão, não...
A "benevolente" do Parque Mayer
Facilitam, facilitam e eu tomei-lhe o gosto ...
Aprenderam com Bettencourt Rodrigues ...
Já toca a vez a todos e não só aos do costume ...
O menino sempre foi fresco ...
Ainda a luta contra os tiranetes do politicamente correcto

O Pasquim da Reacção
O Jornalismo de Agora

Reverentia
Fornos crematórios

Um Homem das Cidades
Seis milhões de judeus
Ben-Gurion - Devemos usar o terror, o assassínio e a confiscação da terra para libertar a Galileia da sua população árabe
McCain, Hillary e Barack Obama foram prestar tributo ao lóbi israelita

Inconformista

Pt-No Media

Pt. Novopress

Revisionismo em Linha

Livro: Ir prò maneta de Vasco Pulido Valente

Para o bicentenário das Invasões Francesas, foi editado em 2007, pelo Aletheia Editores, este interessante livro da autoria de Vasco Pulido Valente, de 110 páginas, sobre a revolta portuguesa contra o exército napoleónico.

18.7.08

Piada da noite

Querem ver que na "catedral" se vai cantar: o Orelhas é um camelo...

Vamos voltar para Angola!!!

Tiro certeiro para a Fundação Saramago

Ainda bem, assim não vai haver tiroteio no Campo das Cebolas e o Saramago fica com a Casa dos Bicos!

17.7.08

Na Sábado: 3000 fotos para Hitler

A revista Sábado publica hoje esta notícia referente a 3.000 fotografias de cidades alemães e que Hitler sabia que poderiam ser destruídas - como o foram - pela aviação ali(en)ada e ao fotografá-las poderia proceder à sua reconstrução na sua forma original.

Bombardeamentos de terror sobre cidades alemãs em 1945

Frankfurt

Nuremberga

Colónia

90 anos depois: o assassinato da Família Imperial Russa

Na fileira da frente, da esquerda para a direita: Grande Princesa Olga, o czar Nicolau, Grande Princesa Anastácia, Príncipe Alexei e a Grande Princesa Tatiana. Ao fundo, as Grandes Princesas Maria e Alexandra.
Faz hoje 90 anos que toda a Família Romanov foi assassinada pelos bolcheviques/comunistas em Ekaterinburg em nome da liberdade soviética, que durante a sua vigência assassinou cem milhões de pessoas.

Notícias do País Real


A ler: Eleições Viciadas?

As Publicações Dom Quixote deram à estampa o livro "Eleições Viciadas?" baseado na investigação da vigarice eleitoral das eleições autárquicas de 2001 e demonstra como se fabrica um vencedor e um vencido. Para ler com toda a atenção as 264 páginas o que vem comprovar a minha teoria que não vale a pena ir a votos a não ser que seja para chatear os demo(nio)cáticos.

"Por um voto se ganha, por um voto se perde. As eleições autárquicas de 2001 representaram o fim de um ciclo político. Por uma vantagem de 856 votos na noite eleitoral, o PSD foi a principal força política na capital e Pedro Santana Lopes tornou-se presidente da Câmara Municipal, no lugar do socialista João Soares, contribuindo para a demissão do primeiro-ministro António Guterres. As suspeitas de fraude eleitoral levaram o Ministério Público a investigar e, por fim, a encontrar indícios, «se não de uma conduta intencionalmente falseadora da verdade eleitoral, pelo menos grosseiramente negligente do desempenho das funções de membro da assembleia de apuramento geral».
Este livro é o resultado de uma análise exaustiva dos documentos eleitorais dessa votação e da recolha de depoimentos de autarcas e pessoas ligadas à campanha de Lisboa. Da sua leitura, sobressairão numerosas discrepâncias reveladoras de um processo de escrutínio eleitoral – desde o recenseamento até à publicação dos resultados em Diário da República – significativamente permeável a erros, à adulteração, intrusão ou intenção dolosa de alterar o sentido de voto dos eleitores, eventuais actos que tornam impossível afirmar com segurança quem, efectivamente, ganhou as eleições de 2001 em Lisboa."

16.7.08

Pintura de Arthur Rackham: Freya

Um valente par de genes anti-democráticos

O Manlius descobriu dois valentes pares de genes anti-democráticos. Até a estrutura molecular se está a marimbar para a democracia. Maldita ciência!
Que ricos pares são esses? Nada mais nada menos que os "Mahoma" e "5HTT".
O artigo “Genetic Variation in Political Participation”, da co-autoria de James H. Fowler, Laura A. Baker, Christopher T. Dawes foi publicado no n.º 2, volume 102, de Maio do corrente ano no Journal The American Political Science Review.
Como bem diz o Manlius são genes a precisar de "reeducação" ao abrigo da manipulação genética.
Os democratas manipuladores têm que tratar este intrincado caso anti-democrático. Uma aberração da genética que têm de ser posta na boa ordem democrática!

15.7.08

Pintura de W. T. Maud: Cavalgada das Valquírias

Cavalgada das Valquírias
W. T. Maud

Livro a ler: Operación Hagen


Acabo de ler mais uma extraordinária narração da autoria de Felipe Botaya: "Operación Hagen", do mesmo autor de "Antártida, 1947 - La guerra que nunca existió", - que aqui comentei - editada pelas Ediciones Nowtilus (Doña Juana I de Castilla 44, 3.ºC, 28027 Madrid - España, 2007), que ao longo das 304 páginas nos prende inteiramente a atenção.
A novela começa com a solicitação por carta enviada pela Embaixada americana a Stefan Dörner, para que este recebesse dois representantes militares do departamento de assuntos militares estrangeiros.
Stefan Dörner, foi um Generalmajor da Luftwaffe que participou no projecto Hagen, tema que os dois militares americanos queriam debater, conversar, filmar e gravar.
Stefan Dörner, pertenceu ao FliegerKorps VIII (Grupo Aéreo Von Richtoffen), foi um dos ases da Luftwaffe e foi responsável pela formação dos pilotos de caça de aviões a reacção em vez dos aviões a hélice - uma arma revolucionária naquele tempo – para fazer face à superioridade aérea aliada com os seus bombardeamentos dia e noite sobre a Alemanha.
Dörner é convocado para uma reunião em Berlim a ter lugar no Ministério do Ar, onde toma conhecimento do programa Uranorium, programa oficial de energia nuclear e de outros dois programas – estes secretos - que a cargo da estrutura industrial das SS, sob o comando do general SS Hans Kammler.
Nesse encontro é divulgada a existência de uma bomba atómica que deverá ser lançada – inicialmente sobre Nova Iorque, a exemplo do que aconteceu com a bomba lançada na batalha de Kursk, na Rússia – sendo decidido que o novo alvo será Tunguska, na região siberiana soviética.
O ás da aviação alemã é convidado a visitar todas as instalações secretas do projecto Uranorium, na Turíngia e na Hungria tomando conhecimento da existência de armas secretas como misséis, aviões, computadores e as quatro bombas atómicas já desenvolvidas pelos cientistas alemãs e que faziam parte da operação Wagner: Hagen, Valquíria, Wotan e Siegfried.
Dirige-se ao Protectorado da Boémia-Morávia para testar o avião Heinkel He 177 V38, que irá bombardear Tunguska, e conhece as fábricas da Skoda onde foram criados e desenvolvidos os aviões circulares, mais conhecidos por OVNIS, chegando a voar num tendo tido um encontro surpresa com uma formação de bombardeiros ingleses, os Lancaster nos céus franceses de Marselha.
De regresso a Berlim tem a segunda e última reunião com Hitler, com os generais
Adolf Galland e Hans Kammler e nessa reunião é decidido o bombardeamento atómico de Tunguska a ter lugar na noite de 21 para 22 de Dezembro no seguimento do planeado contra-ataque alemão nas Ardenas às tropas anglo-americanas.
É também decidido um teste com outra bomba atómica, a Valquíria, na ilha de Rügen, no Mar Báltico, a 12 de Outubro de 1944, na presença de um
emissário especial de Mussolini, o jornalista italiano do Corriere della Sera, Luigi Romersa.
Após o teste de Rügen, Adolf Galland telefona a Dörner dizendo-lhe que o contra-ataque nas Ardenas tinha fracassado e que se dirigisse para Oslo para dar início à sua missão e que se ele falhasse duas bombas atómicas seriam lançadas: uma nas Ardenas e outra em Nova Iorque.
Dörner cumpre a sua missão e a 23 de Fevereiro de 1945, às 08:56 é lançada a bomba atómica Hagen sobre Tunguska como tentativa de persuasão e de dissuasão do avanço soviético e aliado na Alemanha.
Terminada a conversa, Stefan Dörner pergunta a Williams quem são? Sabia que não eram americanos e que só podiam ser agentes israelitas. Williams, aliás, Nathan Katzenberg responde que são agentes secretos d` ”Os Filhos da Aliança” e que tinham como missão descobrir e obter o testemunho de Dörner e assassiná-lo pois a história oficial, a verdade oficial tinha que continuar vigente. É então que Salomon Rubin dispara sobre o peito de Dörner, assassinando-o a sangue frio e à queima-roupa.

14.7.08

13.7.08

Leitura semanal

A Cidade do Sossego
Mussolini
Felizmente não era nazis

Dragoscópio
Acriomancia VI - Social, mas não socialista

Fascismo em Rede
Leon Degrelle (1), (2)

Jantar das Quartas
Para o caso de ninguém ter reparado

Manlius
Hoje descobri o porquê...
Os iconoclastas
Estranhos conúbios...
O Che Che das t shirts
Vivendo no inferno

Último Reduto
Verão 2008 - Turismo Aventura e actividades radicais

Um Homem das Cidades
Seis milhões de Judeus

Inconformista

Pt No Media

Revisionismo em Linha

O menino de ouro enganou-se!

O Sol descobriu que o eng. Sócrates enganou-se nas obras e custos.
«O primeiro-ministro deu informações incorrectas ao Parlamento sobre as novas concessões rodoviárias. José Sócrates afirmou na AR que estavam em causa «1.316km de estradas», mas a verdade é que o Governo já lançou concursos para a concessão de 2.470km.»

Que grande coisa!
Qual é o problema?
O homem não se pode enganar? Só é engenheiro!
Não é caso virgem: o outro Engenheiro, António Guterres não disse aos jornalistas para fazerem as contas do PIB?
Não sejam mesquinhos e chatos.
Deixem o "menino de ouro" trabalhar em paz e sossego!
Não foi ele que disse: "só sei que nada sei"?

O caso de Loures e o PCP

Jerónimo de Sousa considerou, este sábado, que os recentes confrontos em Loures, «só por si, não justificariam» chamar ao Parlamento Rui Pereira, como pediu o CDS-PP. Para o comunista, enquanto existirem problemas económicos e sociais, a violência vai continuar.

Tu lá saberás, ex-metalúrgico Jerónimo, porque não se justifica chamar o ministro da Administração Interna.
Como não foram os nazis-fascistas-salazaristas-racistas-xenófobos-homofóbicos julgo que qualquer bom democrata não encontra razão para chamar o ministro à "casa da democracia" e esclarecer que tudo não passa - como já dito pela imprensa - de um mero problema de má vizinhança.
É (re)conhecido que entre cidadãos nómadas (ciganos) e cidadãos de origem africana (pretos) não houve, não há, não haverá, - para todo o sempre - nunca, jamais questões raciais, porque ambas as etnias não são racistas.

O que pensará o SOS Racismo disto?
Tudo se resolve com
20 mil euros para prevenção da delinquência juvenil e com a magnífica decisão do tribunal em libertar os dois jovens detidos, após estes terem exlicado tudo bem explicadinho, para não haver mais perturbação da ordem pública democrática e do estado de Direito.
Resumindo e concluindo: esta pequena rixa de vizinhos não é caso para alarme embora tenha sido considerada, a nível governamental, "anormal" e "gravíssima". Uns exagerados!

Escandaloso: Casa dos Bicos para Fundação Saramago


Lisboa, 12 Jul (Lusa) - A Câmara de Lisboa discute quarta-feira uma proposta do presidente, António Costa (PS), para a cedência do edifício municipal da Casa dos Bicos para a instalação da Fundação José Saramago, que incluirá a biblioteca do escritor.
O protocolo a celebrar entre a autarquia lisboeta e a Fundação José Saramago prevê a cedência da Casa dos Bicos por um período de dez anos, renovável, disse à Lusa fonte do gabinete do presidente da Câmara.
A Casa dos Bicos poderá albergar a biblioteca do Prémio Nobel da Literatura, composta por vário milhares de exemplares, e disporá de uma loja, espaço para exposições e colóquios.
Caso a Câmara aprove o acordo, o protocolo entre a autarquia e a fundação será celebrado "muito em breve" em Lisboa, "com a presença do próprio escritor".
Depois de António Costa ter proposto a José Saramago a cedência da Casa dos Bicos, prosseguiram negociações entre os vereadores da Cultura, Rosalia Vargas (PS), e Finanças, Cardoso da Silva (PS), e os administradores da fundação, Pilar del Rio e José Sucena.
O edifício, situado no Campo das Cebolas, construído em 1523 por D. Brás de Albuquerque, acolhe actualmente serviços do departamento de Cultura da Câmara.
A autarquia ficará responsável pelas "pequenas obras" necessárias à adaptação das instalações, ficando a fundação encarregue das despesas de funcionamento e responsável por manter as instalações em boas condições.
ACL.
Lusa.

Só sei e só consigo dizer: ESCANDALOSO!

Big Brother versão automóvel chipado

Aos poucos e poucos o cerco para a escravatura vai-se apertando, ninguém critica e até batem palmas!
Agora, vamos ter um pópó todo chipado! E não se pode ter um todo kitado ou de tunning!